sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Ha ha















Lágrima que quer cair,
Vou sacrificar uma parte
Para manter-te seca,
Pelo menos por essa noite.

Pouco importa o som na mente,
Essas risadas foram silenciadas
Quando o espelho se espatifou
Em todos os pedaços que não colei.

Eles levaram o ultimo pedaço,
Finalmente tornei-me vides,
Assim, mal sinto essa lança
Que me atravessa tão sutilmente.

- À aquela marca na parede,
Àquele relógio desorientado,
E à estrela sem brilho...
Está tudo morto dentro de mim!

Gargalhe, quero ouvir a piada,
Que no final eu acabo morrendo
E vocês apontam para meu corpo
Dizendo que os amei: "Tolice!"
"Ha - ha - ha... Ha - ha - ha..."

Vou descansar minha mente,
Dopar mais uma vez a criança
Que tende a chorar em inocência,
Vestir minha máscara, luvas e matar...

4 comentários:

Ivan Ferretti Machado disse...

Super legal. Adorei a maneira como você escreve. Tem gosto de sorvete de morango com calda de caramelo. Hummm... eu adoro sorvete de morango com calda de caramelo. Que Deus a mantenha sempre cheia de saúde, para que continue nos proporcionando, por toda a eternidade, esses manjares poético deliciosos, que só você possui a receita para prepará-los. Milhões de parabéns.

Ivan Ferretti Machado

Matti disse...

"Vou descansar minha mente,
Dopar mais uma vez a criança
Que tende a chorar em inocência,
Vestir minha máscara, luvas e matar... "

Hum...esse me parece o texto mais intenso que você escreveu, Dany, mas é tão bom quanto os outros. As vezes eu me vejo em alguns dos seus poemas. Esta estrofe, em específico, é um momento que eu estou vivendo ^^

Alessandra, disse...

Menina q texto é esse heim...perfeito, lindo....parabéns...bjs

www.mdemulhermoca.blogspot.com

Tânia T. disse...

Adoro ler o que você escreve..

Tava com saudades.. fazia tempo que não lia suas palavras.

Adorei!

Bjoo