terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Velocímetro feroz



Meu coração se aperta na velocidade
Desse maldito velocímetro louco
Estou acostumada a perder o que amo
Mas a dor de te perder é mais...

Assisti cada nó da sua corda ser tecido
Presenciei todos seus pensamentos suicidas
E mesmo assim eu ainda tive assistir
Seu coração se quebrar na minha frente

Nós nos cortamos como animais feridos
Nós nos apoiamos como cúmplices fiéis
Não quero assistir tudo partir novamente
Ver esse mundo se quebrar na minha frente

Me amaldiçoe, me despedace por inteiro
Mas não se torne apenas uma sombra
Não se lance nesta corrida alucinada
Estou quebrada demais para aguentar

Maldito velocímetro feroz! (engoliu muitos e nunca se sacia)
Não quero entregar mais uma rosa
Não posso ficar sozinha novamente
Porque a dor de perdê-lo é mais... é mais que posso suportar!

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Tempo



E o tempo escoa mais uma vez
O relógio não consegue parar
Minha cabeça gira como ponteiros
Enquanto a ampulheta é virada

Pareço estar atrasada mais uma vez
Ou estou apenas tentando regredir
Mas os segundos se descontrolam
E aos poucos roubam minha vida

O trem já partiu
Perdi horas...
Perdi gotas...
Derramei litros...

Mais um passo neste tempo
Uma nota musical sem som
A pequena caixa de Pandora!

E mais um ano se foi...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Voô eterno



Me inclino para frente
Em um segundo tudo irá
Ser apenas lembranças
E nada piorará denovo?

Sinto um impulso contrário
Mas desistir não ajudará
O medo apenas impede.
Um segundo e a salvação!

O tempo se desloca
O segundo se desbobra
Meu peito dispara
Minha mente controla


Enfim...

Um voô ao infinito
Uma lágrima final
Seu rosto...
O arrependimento...

Abismo



Me agarro a uma leve esperança
Pulo para a seguinte, sempre subindo
Espero que nenhuma se desprenda
A queda parece maior daqui de cima....




Eu te conheço como ninguém
Você me disseca só com o olhar
Você não consegue entender?
Isso é eterno e irrevogável...

Se esta maré me levar para baixo
Meu último pensamento será seu rosto
Antes que a água invada meus pulmões
E termine tudo que começou há eras

Mas não quero me afogar justo agora
Não seria certo perder com o joker
Somente nós conhecemos o código
Nao seria justo... não agora...

Sou só uma menininha presa numa fita colorida
Sou apenas uma rosa presa em sua redoma de vidro
Esperando pelo vento que a salvará
E tornará sua vida mais leve e doce

Caminhando até a ponta do penhasco
Encaro a água gélida lá embaixo
Hesito por um tempo com tremor
Sobreviverei?

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Numb and Hope



Me sinto totalmente entorpecida
Como se um soco não doesse
Como se nada me alegrasse
Como se a vida se esvaisse...

Me dizem para continuar
Mas tenho sangrado demais
E gritado a plenos pulmões
À uma multidão indiferente.

Eu olho para o céu nublado
E me pergunto no fundo da alma
Quem roubou minha estrela?
Mas não há resposta alguma...

Cadê aqueles que se importavam?
Estou sozinha nisto novamente?
Afundando diariamente em mim?
Temendo o pior, esperando o melhor!?

Vivendo cada dia após outro
Como se estivesse deslizando
Esperando pela rubra cor
Que um dia pintará minha alma.

Cântico dos Piratas




Naveguei por mares desconhecidos
Namorei as mais belas mulheres
Lutei contra homens e monstros-marinhos
Enganando o querido alferes

Saqueei as mais altas fortalezas
Sequestrei princesas por amor
Mas não me esqueci da mais nobre fraqueza
Uma garrafa de vinho e duas de licor!

domingo, 22 de novembro de 2009

Memória



Sinto minha memória me trair
E ainda sinto algo morrer dentro de mim
Já não sei mais o que fazer...



Eu grito para uma multidão surda
Eu ando por entre pessoas cegas
Não sou nada além de alguém perdida
Chorando por um rosto fantasma

Sua voz está ficando fraca em minha mente
Seu rosto, aos poucos se apagando...
E eu grito e choro pela dor que não se apaga
Mas você está longe demais pra ver/ouvir

Eu ainda me lembro de seu toque
Me lembro do seu coração batendo
Lembro o que todos querem esquecer
Pois não há nada mais forte em mim que você

Vivo cada dia como se fosse o último
Mas sei que vou acordar amanhã
A dádiva de sua presença não me será dada
Pois escolhi um caminho mais seguro

Mas vou vivendo meu tempo de areia
Gritando sem gritar, chorando sozinha
Sentindo mais dor que poderia agüentar
Enquanto sua memória vai se esvaindo da minha...

Vento de sonhos



Quero que esse amor seja como vento
Que do nada, apareça e desapareça.
Que no ar seja invisível pros olhos
Mas mesmo assim, visível à alma.

Quero voar neste sentimento
Me perder em minha mente
E num beijo esquecer o resto
Para que seja a irrealidade mais perfeita

Implorando a Morpheus
Que sendo sonho, seja eterno
Mesmo dentro de uma noite
Que seja eterno enquanto noite

Pois sei que o sol de manhã nascerá
E eu desaparecerei como o vento
Pois nada é tão real quanto o despertar
Mesmo quando meu coração não é de ar.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Rose Red




"For this freedom
I have given all I had
For this darkness
I gave my light
For this wisdom
I have lost my innocence
Take my petals
And cover me with the night."
by Emilie Autumn

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Rainha dos Condenados



Encravo minhas garras na tua pele
Somente para sentir seu sangue
Você se regenera perante minha lingua
Então eu recomeço a te arranhar

Somos tão imortais agora
Nada pode nos atingir
Somos tão perfeitos
Iremos apenas aproveitar

Sinto algo novo, totalmente bom
Um cheiro apetitoso me desperta
Nossa presa caminha por ali feliz
Sem saber de seu final infeliz

Um salto, uma badalada... o sangue
Nada resta, apenas o frio da morte
E nossa vida reestarta como antes
Nos olhamos e sabemos da verdade...
Doçuras e prazeres nos aguardam.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Esperança & despair



O céu está sempre tão distante
Corro contra todas expectativas
Mas no final só sobra o instante
Onde erramos todas as tentativas

Sorrio por este instante fugaz
Pra que todos vejam esta casca
Engano até o mais esperto e sagaz
E no final fico sem minha máscara

Ah! Um suspiro foge a minha garganta
E eis mais um dia que quero arrastar
Na doce esperança de poder acordar
E descobrir o porquê de querer sonhar
( e amar?)

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Metade





Oh! Vida frágil e efêmera
Desnumbrante e dolorida
Porquê não o poupaste?

.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.

Sua ausência me fere como uma seta
Lembranças que somente eu posso ter
Pois ninguém mais sabe do pôr-do-sol

Três...
Nós éramos tão imaturos
Nosso orgulho tão pesado
E o tempo tão impiedoso
Que não pude nem me arrepender

Dois...
Éramos tão imprudentes
Nossas escolhas, imediatas
E o tempo tão impiedoso
Que você nem pode me ouvir gritando

Um...
Agora me resta deixar-te um rosa vermelha
Igual a que entreguei nas tuas mãos
Naquele dia tão azul, tão quente...
Que tua morte me rasgou por dentro

Porquê eu não consegui impedir!?
Porquê não consigo voltar dois anos!?
E não estar no celular mas ao teu lado
Impedindo, te curando... salvando-te

Ah, lágrima que derramo cure a dor
De se sentir tão divida, tão só
Por causa de uma vida perdida no tempo
Na velocidade dos ponteiros do relógio

Te trago á vida em um segundo
Quando me lembro de tua risada
Mas o segundo se esvai e percebo
Que o restou foi apenas um lugar vazio

Um João é que permanece na memória
Dos teus amigos, amados e pessoas
Mas pra mim você será sempre metade.



Leitores, hoje fazem 2 anos de morte de uma das pessoa mais inteligentes, apaixonantes, orgulhosas e únicas que pude conhecer em todo meu tempo de efêmera existência. Poucos de vocês entenderam o motivo de meu luto. De qualquer forma gostaria de prestar uma homenagem à João Luiz Leal do Nascimento, pois a vida é finita mas as palavras jamais!

Mento, sinto sua falta.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Jogos - Giochi



Vi as peças se moverem pelo tablado
Mas o que mais eu poderia fazer?
Ninguém é o que se demonstra ser
Estou ficando sem jogadas neste turno...

Nada realmente nos pertence
E nós, tudo fingimos saber
Mas no final o que nos resta
É lembrar e saber ganhar/perder

Eu sei que de certa forma ainda dói
E mesmo que eu negasse seria tolice
Porquê nada foi tão real quanto a dor
E sabemos que nunca morrerei de mesmice

Karma ou destino, pouco importa
Todos seguimos da melhor forma
E nunca gostaria de fechar esta porta
Mas o risco é a diferença entre a derrota e a vitória

Jogamos os dados e cruzamos os dedos
Resta apenas um rei e uma rainha
Minha última tacada, ausência de regras...
E nós sabemos que no final só restará um!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Tempos modernos




Saudades de tempos mais simples
Onde preocupações evaporavam
Onde a noite era minha amiga
E onde o relógio corria por mim

Saudades de tempos mais doces
Que a minha velocidade era a do vento
Que tudo se concertava com o riso
E nenhuma ferida era tão eterna

Saudades de tempos que não havia tanto tempo
E mesmo que houvesse, este era vívido

Tempos que havia a doçura de uma criança

Num mente mais inconsequente e feliz


Meu tempo hoje escoa como se fosse areia
Cai por entre meus dedos abertos
E inerte diante disso apenas espero
Vivendo novos tempos que ainda desconheço

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Questio





Ser ou pessoa, pessoa ou ser?
És a incognita mais bem amada

Curiga deste jogo estranho

Amigo desta vida perdida
Neter, por nomeação minha
Questio tomado por minha razão

Neteru, apenas chamado Neter
Tua dor será apenas memória
E teus problemas desaparecerão
Porque nada durará mais que deve

Questão em minha mente louca
Nunca será respondida totalmente
És os traços de tormento e paz
Que pretendo perpetuar por todo meu tempo.

A história de uma Paixão




À primeira-vista
Posso não te conhecer mas isso não é o suficiente para não te amar. Quando estou contigo, nada mais importa e quero ficar contigo por toda minha vida. Te amo loucamente.

Separação
Sei que nos machucamos demais, mas quero que saiba que sempre vou estar do seu lado e mesmo com o fim de tudo vou te amar para o resto de minha vida. Te amo!

Reconciliação
Estava escrito, era destino estarmos juntos! Eu te amo demais e mesmo havendo obstáculos, superaremos. Você é a coisa mais importante da minha vida. Te amo demais!

Final definitivo
Não consigo entender essa sua mente confusa... não sei como as pessoas podem gostar de você. Você não significa nada pra mim. Eu te odeio com toda minha força!

Consciência
Passou-se tanto tempo desde a última vez que nos vimos, hoje vejo o quão imaturos fomos. Aprendi muito com você e mesmo desde a nossa separação venho aprendendo mui. Nada dura pra sempre, mas você estará para sempre em minha mente.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Trindade




Já perdi as contas de quantas vezes perdi a cabeça
Já perdi as contas de quantas vezes quis me perder
E deixar minha mente vagar totalmente sozinha
Mas nada funciona como desejamos que funcione

Eu estava ficando totalmente insana e perdida
Mas eis que há dois anos duas pessoazinhas vieram
E me fizeram perceber que eu não precisa cair tão fundo
E que nada dura pra sempre e há um equilíbrio de tudo

Eu sei que sou do tipo quebrada demais pra seguir
Sou do tipo arranhada demais pra não sentir dor
E mesmo quando estou tão acuada a ponto de atacar
Vocês me pegam pela mão e me arrastam devolta

Obrigada por serem a luz quando estou indo pra escuridão

Por serem o único lugar confiável e seguro em meio a tudo isso
Eu não sei como estaria sem essa luz, mas eu não seria quem sou
Vocês me trouxeram meus sonhos despadeçados e os remendaram!

Nada pode preencher o vazio de quando vcs estão longe
Mas nada pode substituir a felicidade de tê-los comigo
Maninhos, não me importo com nada desde que vcs me vejam como sou
E estejam comigo sempre, mesmo durante mil anos ou mais

Destino é algo complicado, mas estava mais que escrito
Nenhum amor é maior que o que sinto por vcs... amo-vos mui!
E que os deuses nos auxiliem nesta caminhada ao infinito
Pois eu não ficarei longe, mesmo com todos esses km´s!

Vcs estão tatuados em meu coração e espírito... AMO-VOS MUI e DEMAIS!


Sei que este post não é o suficiente para agradecê-los por tudo que vcs fizeram, fazem e farão por mim mas é uma maneira de dizer que amo-vos demais =^.^=.
Obrigado por serem Jú e Zumba!

Resposta



Acendo meu cigarro e na fumaça tento trazer
Delínias de um corpo que não voltarei a possuir.
Na cama vc, me encara como um predador
Você nada mais é que a ilusão em forma de desejo

Tento procurar em ti algo mais profundo
Mas na verdade só vejo as diferenças de vcs
Você sorri, como se me conhecesse há mais tempo
Mas no fundo você conhece o que demonstro

Te desnudo e te possuo, mas nada têm valor
Pois o gozo não é nada a mais que a resposta,
Resposta as suas investidas dissimuladas,
Resposta a lembrança de outra que não voltará.

Pego meu casaco e digo que não voltarei aqui
Mas você sabe que voltarei... na próxima sexta
Quando eu achar que o fumo não for suficiente
E nada puder fazer sentir-me vivo denovo.

Você não têm nenhum valor individual a mim
Mas são em tuas coxas que descanso no final
Você não é real, não posso te tornar real...
Porque você só tem a voz doce e mais nada...
Não há memórias entre nós e você é apenas sexta.

sábado, 10 de outubro de 2009

Cigarro



Não jogue esta moeda pra mim
Como se não fosse nada pra vc
Como se vc não sentisse nada
E tudo fosse uma brincadeira

Não fume desta forma desdenhada
Como se o que eu dissesse fosse nada
E o assunto não te interessasse
Porque sei, conheço esse seu olhar

Vc sorri e olha para fora da janela
Mas eu sei no que vc pensa agora
Não diga que sou tola... não sou
Mas sei que vc está começando a gostar de mim

Não ameace ir embora, eu vou chorar
E vc vai se sentir culpado quando eu sumir
Pois eu ficarei sem atender o telefone
E não vou te esperar toda sexta até de tarde

Ah! Nos estamos apenas nos conhecendo
Vc sabe que te desejo, não é um jogo
Eu sei que vc se apaixonou, não é falso
E esta não será apenas uma noite diferente

Eu sei que vc voltará a beber deste vinho
Me beijará e faremos amor até cair
E que no final de tudo vc vai acender seu cigarro
Como se tudo fosse vulgar e sem sentido... Mas...vc está começando a gostar de mim... Haha

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Última dança



Encarei-o como a última peça de minha coleção
E de fato, acho que era mais ou menos isso...
Molhei meus lábios na taça de vinho observando-o
Ele sabia que eu o chamava e correspondia isso no olhar.

Serpentiei até o outro lado, apenas começando o jogo
Ele completou me seguindo como um lobo faminto
Encarei-o como uma presa esperta e deixei a taça sobre a mesa
Ele me seguiu, pegou a taça e bebeu dela, me estendendo-a...

Sorri, ele aceitara todos meus convites até ali...
Deslizei até a pista e levantei meus braços mexendo os quadris
Ele me segurou por trás, respirando em minha nuca
Em um giro, taquei-me em seus braços e assim dançamos.

Ele me encarava como se eu pertencesse a ele
Eu sorria como se fosse valiosa demais pra ele
E nesse frenesi dançamos todas as canções...
Como se tudo a nossa volta não existisse...

Mas tudo é destinado a ter um fim... ainda não!
Eu o segurei e leve-o até o meu quarto de hotel
Luxúria, suor, danças freneticas, tudo tão belo...
Magia nos olhares, um gemido na escuridão do quarto

Maldita! Por fim a cor acinzentada, a última dança...
Maldição sem fim! Não me deixe agora!
Maldita! Não pare os ponteiros do relógio denovo
A tristeza e a minha vida... medusa maldita...

sábado, 3 de outubro de 2009

Sonhos



Levantei e tomei meu café amargo
Só queria me sentir mais real...

Coloquei meu vestido mais lindo
Usei todo meu dom de maquiagem
Tudo pra agradá-lo desta vez...

Peguei um taxi, para não suar
Cheguei 1h antes para não me atrasar
Me certifiquei que nada sairia fora do usual
Eu não queria deixá-lo bravo comigo denovo...

Ele chega todo sério, impecável como sempre
Sorri ao sentir meu "oi" tremido e acanhado
Me toma pela mão e me segura em seus braços
"Vc sabe que está é a última vez, minha querida"
Eu o aperto contra meu corpo em despedida.

Uma lágrima cai, um toque dos sinos da igreja...
Então tudo ao nossa volta começa a desaparecer.
Um último beijo - peço, ele docemente me concede.

Os poucos nada resta e ele desaparece sorrindo,
Fico sozinha denovo, ele havia partido pra sempre.

Amanhã eu tentarei fazer tudo parecer real mais uma vez... mas não será como foi um dia!



Notícias do dia seguinte: Homem que dizia namorar com "garota" em seus sonhos, morre após 3 anos em coma.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Andarilho




Andei por estradas desconhecidas
Descalço e perdido, como todos que vi
Andei por pradarias seguras
Armado e ferido, como muitos dali

Não pude sentir o calor da própria cama
Pois quem caminha, eterno é o caminhar
Não pude nem sequer me aquecer da chama
Que ausentava quando pus-me a lamentar

A Morte é lenta aos que a esperam
Mas não tarda aos que se aventuram... continuarei a caminhar...

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Hipocrisia





Estou cansada dessa maldita hipocrisia
Gente que fazendo o que sua boca condena
Cansada de ver toda essa gente sofrendo
Somente pela deliberada vontade de sofrer

Sim, estou cansada de ver riquinho
Fingindo ser do subúrbio, da periferia
Sem ao menos ter sofrido na pele medo
Aquele que te mata, te esfola, te aflinge

Vida mansa lhes é dada desde o berço
Mas isso seus olhos não querem ver
Viver dor alheia parece ser interessante
Quando se tem tudo para sorrir sem lagrima a derramar

Queria ver seus olhos quando o dinheiro não é suficiente
Quando o carinho e a atenção são inexistentes
Quando suas escolhas não possuem nenhuma opção
Quando a dor cresce a ponto de virar um ódio

Estou cansada dessa gente ver dor nas músicas
E acreditar que sofre igual
Sem ao menos sentir a verdadeira dor
De não possuir letras, não possuir vida e não possuir nada.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Succubus




Porque resistes ao meu toque?
Prometo que se assim quiser
Só ficarei mais esta noite e nada mais

Porque me encaras tão afoito?
Minhas unhas não o cortarão
Só meus lábios permitirei marcar-te

Ah! Não se preocupe com a aurora
Não se preocupe com o que te aprisiona
Feche teus olhos e te entregue

Acordei para vc, acordei com desejo de ti
Sua cama me chama, sua mão me arrepia
Entrega-te esta noite e prometo que jamais esquecerá

quarta-feira, 16 de setembro de 2009



Acordei como se acorda dos pesadelos
Sem esperança, sem rumo, sem força
Minha mente girava, meu corpo ainda tremia
Eu ainda temia, confundido os dois mundos

Acordei sem saber o que fazer
Com medo de dobrar a esquina e morrer
Com medo de almejar algo e não realizar
Com medo de ter medo temendo tudo que não devia

Acordei, mas como se num passe de mágica
Pude ver a janela aberta, uma falha
E eis que o céu era azul e o sol estava ameno
Foi então que eu sorri...


Diga uma poesia pra mim
Não estas de riminha
Não estas bem fodinhas
Cite seu coração, se embale...

Conte sobre um mundo perfeito
Sem dor, sem mágoa ou morte
Conte-me sobre amigos perfeitos
Sem brigas, sem traição ou dor

Declame com as narinas abertas
Seja convincente desta vez
E me abrace depois dela
Pois eu só quero é sonhar!

segunda-feira, 22 de junho de 2009



O mundo gira num círculo perfeito
E eu não consigo acordar desse sonho sem fim
Quero abrir meus olhos e enxergar
Uma realidade menos sangrenta

Rasgue minhas cicatrizes e retire a seta
Você não é nada além de uma caneta perdida
E eu sou uma moribunda adormecida
Nesse sonho infernal sem fim

Vou correr com toda força destes monstros
Não consigo ter vontade de desistir
Entre a vitória e o fim, só me resta triunfar
Preciso correr e resolver todos esses enigmas

Quero me fortalecer mais desta vez
Me rasgue de cima a baixo, por favor
Faça-me sangrar para sentir a vida novamente
Quero amar algo novo

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Afundando




Estou completamente inerte, entorpecida
Não sei o que sentir, não sei como agir
Quero fugir daqui, quero recomeçar cada passo
Não quero carregar toda essa maldita dor

A morte me rodeia mas não me toca
Ingrata, me usa... ri de mim... me leve de vez
Isto é pior que a partida... leve-me com eles
Não quero ficar só...

Pq não pude ficar ao seu lado?
Pq tive que ser tão fria?
Agora que há esta muralha entre nós
E não consigo chegar até seu abraço

Eu queria ter estendido aquela noite
Queria ter evitado a cruel separação
Oh dor insana, vc está me consumindo denovo
Sinto que vou morrer pela mesma história

Oh Deus, pq vc não me ouviu quando gritei,
quando foi que vc resolveu me abandonar?
Sozinha, quero sangrar para saber se estou viva
Preciso descobrir quem eu realmente sou

Meu passado me assombra
Meu presente me acorrenta...
Será que encontrarei a direção certa?
Oh doce luz, não me deixe na escuridão novamente

Só desejo ser eu mesma ou não ser nada a mais
Estar neste vácuo têm consumido meu espirito
Estar inerte diante da vida sem esperança alguma
Vai fazer eu me afogar denovo... (meu maior temor)

terça-feira, 20 de janeiro de 2009




Amaldiçoada... maldita sou...
Perdida na escuridão... sangrando.
Condenada por minhas ações... Deus,
Será que vou assistir minha morte denovo?

Eu preciso me agarrar a um futuro,
Algo totalmente louco e romantico.
Preciso viver a ilusão momentanea,
Alimento toda orda de carniceiros.

Preciso forçar mais esse sorriso,
Fingir um prazer não existente,
Enfiar essa faca no meu peito.
Fuga da realidade, fuga do presente!

Uma lágrima escondida pela gargalhada.
Haha, era só uma daquelas máscaras.
Me desculpe, preciso ser mais fria.
Só um pode me libertar e me alegrar!

Ah, segure firmemente minha mão
Preciso sentir esses seus dedos frios,
Tudo está tão traçado que minhas pernas tremem
Não me abandone, eu tenho medo! (não quero morrer novamente)

Deus, como dói... deus, que destino!
Esperança me guia, me alimenta
Segredo, minha alma está celada
A chave, nunca mais estarei perdida.