sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Tempos modernos




Saudades de tempos mais simples
Onde preocupações evaporavam
Onde a noite era minha amiga
E onde o relógio corria por mim

Saudades de tempos mais doces
Que a minha velocidade era a do vento
Que tudo se concertava com o riso
E nenhuma ferida era tão eterna

Saudades de tempos que não havia tanto tempo
E mesmo que houvesse, este era vívido

Tempos que havia a doçura de uma criança

Num mente mais inconsequente e feliz


Meu tempo hoje escoa como se fosse areia
Cai por entre meus dedos abertos
E inerte diante disso apenas espero
Vivendo novos tempos que ainda desconheço

3 comentários:

Bella disse...

lindo... simplismente lindo..
você escreve muito bem :)
parabéns!

Lacobos disse...

O Tempo é a mais rara essência...

Lacobos disse...

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!

Tem selos para você no meu blog, depois confere lá!

Até,

http://dadonanet.blogspot.com