quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Andarilho




Andei por estradas desconhecidas
Descalço e perdido, como todos que vi
Andei por pradarias seguras
Armado e ferido, como muitos dali

Não pude sentir o calor da própria cama
Pois quem caminha, eterno é o caminhar
Não pude nem sequer me aquecer da chama
Que ausentava quando pus-me a lamentar

A Morte é lenta aos que a esperam
Mas não tarda aos que se aventuram... continuarei a caminhar...