domingo, 22 de agosto de 2010

Prisão



Arranho as paredes
Comendo o esmalte
Tentando uma fuga
Desta prisão mental

Me transformei nesta criatura
Amante de suas próprias pulsações
Fugindo de tudo e de si mesma
Se prendendo dentro de sua mente

Meus sonhos são cacos dos outros
Meu coração é um caco do que já foi
Minha mente é tão louca quanto a sua
E meus dedos tão rápidos quanto uma bala

Encurtei todas as distancias
Para aumentar a do passado
E não ter que se arrepender
Do inevitável arrasador

No entanto é aqui que vivo
Presa na própria ilusão
Tentando fugir de medos medíocres
E no fim, de mim mesma...

6 comentários:

Drizana Ribeiro disse...

Profundo...
Não sei muito o que dizer...
Fugir de mim mesma. Talvez seja isso que eu faço constantemete. MAS depois desse post, vou lutar para não fazer porque quanto agente se evita mais perde todas as nossas habilidades, qualidades, virtudes, dons...

Bjs, Dri!

amy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Deni Maciel disse...

a prisão da mente
ou da alma

seja ela qual for é horrivel

=/
parabens pelo poema.
mto intuitivo
xD^

um abração..
feliz dia do pau brasil
repassado para os americanos...
e amanhã que será
dia do rádio com AM e toca-fitas..
até breve *-*

amy disse...

poema criativo!
;*

Tania T. disse...

Presa na própria ilusão... ah, como isso é triste.. =/


Amei o post, Dany... Você escreve demais.. amo ler suas palavras sempreee!!!

Beeijo

Matti disse...

Acho que essa prisão é um refúgio que todos temos. Nos comunicamos através dela de formas variadas.
Você usa as palavras pra fugir da prisão...belas palavras