quarta-feira, 6 de julho de 2011

Ligeia






















Como nessa antiga canção,
Eu ainda posso sentir
Os momentos mais doces
E as agulhas mais afiadas.

Uma gota de sangue selou
o que nunca quebraríamos?
Supostamente éramos um
Contra todo resto do mundo.

Lastimo que a inocência desse olhar
Seja perdida na voz da doce sereia,
Que carinhosamente me abraça forte
Antes de mergulhar nesse silêncioso oceano.

5 comentários:

Lacobos disse...

Ohhhhh, muito bom!

Mas que título hein... é um TCC unido a poesia... seria uma nova tendência, tipo "poema-universitário"?
Tadãdã-ta!

A parte, ficou muito bom o escrito, com bom sentimento, com bom corpo, bom bom bom...

Mas que título... rs

Bjs e Txamo!

*Dany* disse...

Haaaá, já troquei a sereia e questão para aqueles que não sabem soletrar grego =P

Thx pelo comentário \o

Lacobos disse...

Olha, só ficará compreensível o título quando for Ariel, presente numa das mitologias que mais conheço ;P

Bjs e Txamo!

Matti disse...

Talvez eu tenha entendido errado o poema, mas mesmo assim continua fazendo sentido eahueahuaehueah

Mais uma perfeição, Dany ^^

Garotinha Ruiva disse...

Muito lindo. Poucas frases sempre dizem muito mais do que parecem dizer. Ecoam no cilêncio.

Adorei, por diversos motivos.
Misterioso.